Montenegro – RS

MEMÓRIA HISTÓRICA DOS ÚLTIMOS 20 ANOS DA COMUNIDADE SAGRADA FAMÍLIA

mn1Com alegria, narramos as maravilhas do Senhor realizadas, pela ação do seu Espírito, através do nosso ministério, em Montenegro. Relatamos, resumidamente, nossa caminhada.

mn2Um grupo de senhoras de Montenegro, tendo como Presidente D. Maria Antonia da Silva Machado (foto), buscava uma Congregação religiosa para entregar-lhe a obra social, por elas idealizada, e tendo sido informadas que duas Irmãs Filhas de S. Camilo, residentes em S. Paulo, se encontravam em S. Leopoldo, foram em número de quatro senhoras para um primeiro contato com as mesmas. Como o empreendimento não deu certo, procuraram as Irmãs Ministras dos Enfermos e insistiram no pedido já feito em anos anteriores. As Irmãs, gentilmente, as acolheram, prontificando-se a comunicar o pedido à Superiora Provincial, logo que retornasse, visto estar ausente.

Ao regressar, a Ir. Tomasina Gheduzzi tomou ciência do pedido e entrou em contato com D. Maria Machado, deixando marcada a primeira visita para se inteirar da realidade local e possíveis entendimentos com o grupo disposto a doar a obra, ainda em vias de conclusão.

Em dezembro de 1979, as Irmãs deram os primeiros passos para a instalação do Lar Sagrada Família, em Montenegro, com o objetivo de acolhida e atendimento a pessoas idosas.

mn3Em fevereiro de 1980, as Irmãs Alfonsina Stella, Iraci Marchiori, com mais três jovens aspirantes, acompanhadas da Provincial, deram início aos trabalhos de limpeza, reformas e organização do Lar. Desde logo a comunidade montenegrina se fez presente com a ajuda e colaboração para viabilizar a acolhida de pessoas idosas.

Como não havia estrutura para acolher as Irmãs e as jovens, as Irmãs de São José de Chambery as acolheram em sua casa pelo tempo necessário, dando-lhes apoio, força e incentivo para assumir a missão.

No dia 26 de abril desse ano, tendo a casa o mínimo necessário para que as Irmãs pudessem se instalar, vieram para o Lar. Além das Irmãs citadas acima, integrou a comunidade a Ir. Georgina Barbosa, como superiora. Salientamos que, mesmo depois de as Irmãs terem se instalado no Lar, as Irmãs de São José sempre marcaram presença, sendo solícitas em todas as necessidades. Além da missão inicial de acolhida e cuidados integrais às pessoas idosas, a Congregação iniciou e desenvolveu outras atividades sociais e pastorais:

mn4* Visitas aos doentes a domicílio e no hospital.

* Pastoral de saúde e formação de visitadores de doentes, apoio a dependentes químicos.

* Formação das jovens para a vida consagrada. Desde os anos 80, foi transferido o aspirantado da Sede Provincial para esta comunidade e, posteriormente, também o postulantado, sendo que ambos aqui continuam até hoje.

* Presença ativa no Conselho Municipal de Assistência Social.

* Participação na liturgia da paróquia, capelas e catequese.

* Celebração eucarística duas vezes por semana na comunidade e mensalmente no Lar.

* Presença significativa na pastoral da esperança e grupos de oração em família.

* Palestras para jovens, casais e pastoral vocacional.

* Programas de Rádio e entrevistas para o jornal local, com publicação de artigos sobre a nossa vida, Congregação e missão.

* Constituição de vicariato em vista da preparação para diocese.

* Organização das pastorais e avanço nas celebrações interreligiosas (ecumenismo).

* Participação no processo de construção da Cúria Diocesana e na instalação da Diocese São João Batista em 06/09/08, acolhendo com alegria, em nossa comunidade, o primeiro Bispo D. Paulo de Conto.

* Integração em vários conselhos diocesanos de pastoral.

* Participação do Grupo Reflexão e Saúde – GRS.

* Início e acompanhamento do grupo Família Maria Domingas (FMD), sendo que no ano de 2008 introduzimos oficialmente o quadro de Maria Domingas na paróquia; celebramos, com ênfase, as festas próprias, envolvendo toda a comunidade paroquial e tornando Maria Domingas mais conhecida e invocada.

Na época da beatificação da nossa Fundadora, o Sr. Antônio Granja foi agraciado por Maria Domingas. O médico que o atendeu e acompanhou, testemunhou ter sido uma força superior que o curou. As Irmãs e a família do Sr. Antônio se uniram fervorosamente em oração, fazendo a novena a Maria Domingas. Estando próxima a beatificação, a Sagrada Congregação para a Causa dos Santos não considerou o milagre que serviria para a canonização. O relato integral e a documentação minuciosa do caso encontram-se na secretaria da Sede Provincial.

Várias pessoas nos relataram terem alcançado graças por intercessão da Bem-Aventurada Maria Domingas.

Em nível eclesial, acompanhamos toda a caminhada da Igreja, celebrando os tempos litúrgicos fortes. Marcou profundamente a morte do Papa João Paulo II e a eleição do novo Papa Bento XVI.

Em nível congregacional, vivenciamos vários eventos significativos:

* Beatificação da Fundadora Maria Domingas Brun Barbantini, 07 de maio 1995;

* Eleição da Superiora Geral, Ir. Tomasina Gheduzzi, por três sexênios;

* Eleição da Provincial, Ir. Elisabete Cavalli, por dois triênios e sua morte súbita em 10/10/1998;

* Assumiu a Ir. Rosa Lazzari o cargo vacante e foi eleita Superiora Provincial por dois triênios;

* Celebração dos 50 anos de presença da nossa Congregação no Brasil com a abertura em Aracaju-SE;

* Preparação e envolvimento na celebração de quatro capítulos gerais ordinários;

* Participação ativa nas assembleias, encontros de formação continuada e festividades da Província;

* Eleição da Ir. Marisa Inêz Mosena como Superiora Provincial por dois triênios;

* Celebração dos 25 anos de presença das Irmãs na comunidade montenegrina;

* Formação profissional de várias Irmãs no hospital de Montenegro;

* Ação de graças pelo jubileu de prata das Irmãs Iria Comim e Adiles Schäfer;

* Profissão perpétua da Ir. Ana de Lima na catedral S. João Batista.

mn5Atendendo às necessidades dos nossos internos e para melhor responder às exigências das leis vigentes, foram realizadas melhorias, como: ampliação do Lar e construção de dois salões com lareira e aquisição de um elevador; adaptação de área apropriada para o serviço de fisioterapia e aquisição de alguns equipamentos; construção da câmara fria e perfuração de poço artesiano; reforma da cozinha, banheiros, lavanderia e aquisição de máquina com barreira; adaptação de área para o vestiário e refeitório das funcionárias; cobertura para junção dos dois prédios, servindo para garagem e salão de festas; aquisição de um carro popular.

Nessa trajetória, foi muito valiosa a presença de pessoas que marcaram a história da nossa caminhada: grupo de senhoras que se reuniam semanalmente, para realizar trabalhos manuais, sopas, quermesses e bingos e, assim, angariar fundos para o Lar; vários voluntários cadastrados no “parceiros voluntários”, atualmente extinto, que realizavam atividades e atendimentos em diferentes áreas aos nossos hóspedes. Atualmente ainda contamos com a ajuda de alguns voluntários, solidários com as necessidades dos internos. Em tempos de crise, fomos ajudadas por um conselho administrativo formado por leigos para viabilizar os projetos e ações para o sustento do Lar. Contamos também com a valiosa ajuda de um grupo de senhoras, liderado pela Srª Lia Sellen, que buscam formas para conseguir recursos, inclusive pleiteando junto ao Governo Federal.

Em todos esses anos, foi sempre marcante a presença da comunidade montenegrina, participando ativamente de promoções, chás beneficentes, galetos, rifas, bingos e outros, também com doações em espécie ou com mantimentos.

O município de Montenegro conta com 60.000 habitantes, sendo que a maior concentração é na zona rural. A principal fonte de renda é o cultivo de frutas cítricas e o plantio de acácias. O Município conta com algumas empresas que absorvem uma pequena parcela da mão de obra; não obstante isso, os índices estatísticos revelam que houve um desemprego de 30% da população ativa. A zona urbana destaca-se pela população de classe média, havendo alguns com poder aquisitivo maior, porém a presença de favelados é muito acentuada. Um dos fatores preocupantes é o alto índice de consumo de drogas, sobretudo o crack, a violência e o roubo.

Quanto à questão política, o Município está organizado em secretarias municipais e tem convênios e parcerias com outros municípios ou entidades. Contudo, as Secretarias da Saúde e Ação Social apresentam grandes desafios, não dispondo de recursos necessários para atender a demanda. Em todos esses anos, a nossa instituição sempre contou com a ajuda e apoio do Poder Público municipal. No entanto é um grande desafio manter a obra funcionando e acompanhar as exigências sempre renovadas das leis vigentes, como a manutenção da filantropia. Também é elevado o custo para manter o quadro funcional. Estamos em tratativas para obter uma verba federal para ampliar e melhorar as acomodações de quatro apartamentos. Atualmente, o Lar se mantém com as mensalidades dos internos, por convênio federal, estadual e municipal, realização de promoções e doações. Isso, para as despesas ordinárias, mas, para investimentos na infraestrutura e construção, necessitamos de recursos de outras fontes.

mn6Hoje a comunidade é composta pelas Irmãs: Marilene De Bona, Nazaré Idalina de Jesus, Antônia Deitos, Emília Balbinot, Alfonsina Stella, Rosa Lazzari, Camila Capitâneo, Iria Comim.

Nossa gratidão a Deus, à Mãe Maria e à Mãe Fundadora pela presença constante na nossa caminhada, por contar conosco e com cada uma das Irmãs e jovens que aqui passaram, deixando o rasto de Deus nesta terra montenegrina. Sentimo-nos devedoras a cada um(a) que conosco construíram história, pois sem a sua participação a nossa colcha de retalhos teria ficado incompleta.

Juntos, louvemos o Senhor e proclamemos a sua glória, “porque eterno é seu amor por nós”‘.

Irmãs da Comunidade Sagrada Família-Montenegro

Deixe uma resposta

Ministras dos enfermos de São Camilo

LINKS IMPORTANTES. DA CONGREGAÇÃO
CAMILIANAS
Ministras de los enfermos-Chile
Camilianas Chile
Camillian Sisters in the Philippines

OUTROS LINKS
Ministri degli Infermi
Religiosi Camilliani Italiani
Centro de Espiritualidade Cristo Rei